Quais as empresas que mais investem em publicidade no Google

Os maiores anunciantes do Google em 2011WorldStream publicou artigo e gráfico com o ranking das organizações que mais investiram em publicidade no Google em 2011, segmentada por setor de atuação.

Uma análise mais minuciosa dessas informações podem fornecer diversas pistas e drivers para o marketing nos mecanismos de busca, como por exemplo taxa de retorno do público alvo por segmentos, nível de concorrência e segmentos não explorados com potencial.

Gráfico Sintético

Receitas de Publicidade do Google em 2011

Total

Os números das receitas de publicidade do Google impressionam: São mais de 37 ( trinta e sete) bilhões de dólares americanos em receitas provenientes de anúncios. A soma dos valores investidos dos maiores anunciantes gira em torno de US$ 1.348.900 ( um bilhão, trezentos e quarenta e oito milhões e novecentos mil dólares americanos)

Com esses esses números podemos identificar que, percentualmente, os maiores anunciantes do Google Adwords não representam mais de 0,5% do total das receitas de publicidade. A receita de publicidade do Google é extremamente pulverizada e podemos nos questionar: qual a representatividade de pequenos e médios negócios nesse bolo?

Maiores Anunciantes

A lista dos maiores anunciantes é liderada pela Lowe-s com aproximadamente 59 milhões em investimento, porém cabe salientar que a Sears e a Sears Home Depot, são a mesma empresa,  e conta presença na 12ª e 32ª posição respectivamente, mas seus valores somados representam juntos 55 milhões, a colocando numa terceira posição de destaque.

Maiores Anunciantes Google 2011

Segmentos

Como esperado os anunciantes varejistas tornam esse segmento líder em anúncios, seja pela alta concorrência ou seja por que as vendas on line do varejo já serem amplamentes aceitas pelos usuários. O segundo colocado, Casa e Jardim, é forte nos Estados Unidos e tem características similares as empresas de varejo.

Destaque para Setor de Financas e Seguros que aparece em terceiro lugar e mostra a vontade dessas instituições de maximizar a venda direta de seguros e planos de previdência para o consumidor, sem os tradicionais intermediários, no Brasil conhecidas como corretoras de seguro. Essa informação é extremamente importante pois exibe um realinhamento de posição dos grandes players do mercado em direção à venda direta com utilização da internet como canal.

CPC Médio

A média do custo por clique das palavras chave analisada por segmento, proporciona uma visão da competição ou disposição de cada segmento em anunciar na web.

O maior custo médio é o de Financas e Seguros com US$ 26,74 ,  seguido por Computadores e Eletrônicos com US$ 21,90 e Internet e Telefonia com US$ 20,17.  Será que Bancos e Seguradoras já tem ou esperam um grande retorno pelas vendas através da web? Se eu fosse uma corretora de seguros já pensaria em como me adaptar a esse novo cenário.

Público

A relação entre o custo médio por clique das palavras chave de cada segmento com a verba investida, nos retorna a quantidade aproximada de cliques ( considerando somente campanhas CPC). Podemos então  imaginar o tamanho do público alvo alcançado em cada segmento ou por cada empresa.

Nesse ranking, as cinco empresas do segmento varejo são as cinco primeiras na listagem geral e juntas alcançam mais de 65 milhões de cliques! Não podemos acreditar que sejam 65 milhões de usuários pois existem usuários que clicam mais de uma vez e outros usuários que fecham a página logo depois de verem mas se fomos extremamente conservadores e assumirmos 50% desse total, temos mais de 30 milhões de usuários alcançados.

Em termos de custo, cabe a essas organizações verificarem se o custo total para alcançar esses números é maior ou menor do que nas mídias tradicionais, levando em consideração formalização das métricas e principalmente a conversão final ( vendas).

Quantidade Imaginada de Cliques

Base de Dados

A planilha com os dados foi confeccionada em Google Planilhas e possuí lista completa com tabela dinâmica para facilitar as análises. Se desejar, os dados podem ser utilizados através da Planilha de publicidade do Google em 2011, disponível na galeria de modelos do Google Docs.

4 respostas
  1. John Martin
    John Martin says:

    Não posso afirmar mas sinto que as seguradoras podem estar com os dias contados. Com a crescente melhora nas condições de educação e acesso a internet muitos usuários preferem confiar mais em comparativos de blog e informações encontradas no Google do que nos amigos corretores.

    Em tese os preços das vendas diretas podem ser mais competitivos pois os custos da corretora serão eliminados, uma decisão coerente dos bancos em um mercado conhecido pela baixa rentabilidade.

    Diminuição dos custos que pode proporcionar maior margem ou melhor preço, contato direto com o cliente através de sistemas que efetuam o cadastro e aumento real das receitas me fazem acreditar realmente que as seguradoras estão com os dias contatos. Mas lembre-se que as seguradoras não gostar haja visto a situação ocorrida no canadá recentemente.

  2. John Martin
    John Martin says:

    Trata-se de uma batalha entre corretoras e bancos, pois com o avanço dos bancos na área de seguros os profissionais de vendas vem perdendo mercado nos últimos anos.

    A lei do Canadá proíbe a venda direta de seguros em filiais. Recentemente, no entanto, os bancos conseguiram autorização para vender seguro pela internet, segundo parecer de advogados dizendo que o site do banco não é considerado agência… de tempos em tempos uma decisão vai contra a última e não temos um desfecho para essa novela!-)

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *